Produtor do Rio Grande do Sul utiliza a torta de Neem para aumentar a produtividade no cultivo de beterraba

A importância do RS para a oferta nacional de alimentos é historicamente reconhecida. Por muito tempo, o Estado foi qualificado como “Celeiro do Brasil”, em razão da sua expressiva contribuição para a produção agropecuária nacional, destinada ao mercado interno e à exportação.

O cultivo de hortaliças no estado do Rio Grande do Sul vem crescendo nos últimos anos, com destaque para a produção de hortaliças. A produtividade foi o principal vetor desse crescimento. Os agricultores gaúchos absorveram inovações tecnológicas da indústria de máquinas e de insumos, alteraram o uso do solo e valeram-se de novas técnicas de cultivo (manejo de solo, plantio direto, agricultura de precisão etc.), além de modificarem seus modelos de organização da produção.

Dentre as culturas na região, destaca-se o cultivo da beterraba, que apresenta um elevado consumo no mundo e é uma importante fonte nutricional ao organismo humano. A Beterraba é uma hortaliça de clima temperado, e, portanto, adapta-se em regiões com temperaturas amenas, baixa umidade e certa tolerância a geadas.

Como alternativa para aumento da produtividade, a Fazenda do Chapéu localizada no município São Francisco de Paula, utiliza a torta de neem em seu cultivo de beterraba visando melhor desenvolvimento do tubérculo e resistência ao ataque de pragas e doenças.

A torta de neem possui nutrientes essenciais para o desenvolvimento de todas as espécies, em tubérculos em especial, promove maior volume, sanidade e fortalecimento para as plantas que foram submetidas a condições de stress.

Veja como a Fazenda do Chapéu aumentou sua produção com torta de neem:

Na propriedade a torta de neem é pré diluída em água, sendo utilizado 5Kg para 50 litros de água. Esta pré-diluição fica em repouso por 24hrs para que todos os compostos da torta se misturem com a água. Após estas 24hrs, o produtor adiciona mais 450 litros de água agitando bem para homogeneizar a mistura. Após a homogeneização, a calda é coada para evitar entupimento de bicos e é transferida para um tanque aplicador. Esta calda é suficiente para cobrir uma área de 1 hectare e o produtor faz uma aplicação a cada 25 dias.